“Estes são dias de anseios. Eu o trarei para um lugar de desejo por Mim,” disse o Senhor. “Eu irei sobrepujar todos os dons em tua vida. Irei trazê-lo para o extremo da vida abundante do meu Espírito. Estes serão dias de anseio, de um desejo tanto por Mim quanto por coisas que não pertencem a Mim. Estou ansioso por você. Você está ansioso por Mim, assim como estou ansioso por você?”, disse o Senhor. “Estes são dias de anseio. Estou levantando um povo de anseios nestes dias. Um povo arruinado pela vida ordinária; povo de anseios. Estou procurando por um povo de anseios.” Sam Hinn, em trecho do livro Beijando a face de Deus.

Dias de anseios. O impacto que essa pequena frase me causou foi absurdo. Quando peguei o livro em minhas mãos, entendi que algo seria movido dentro de mim ao lê-lo; mas não cogitei que fosse logo ao começo do primeiro capítulo. Tenho experimentado momentos maravilhosos na presença de Deus, como tenho relatado aqui; mas esse trecho acima desafiou profundamente meu relacionamento com Deus. Quero mais! Sei que tem mais Dele para ser desfrutado! Não me refiro a Suas bênçãos, aquilo que Suas mãos podem fazer; estou falando de conhecê-Lo mesmo, como nunca conheci.

Durante muito tempo, muralhas existiam entre Deus e eu. Por enxergá-Lo como o Todo-Poderoso, o Magnífico, o Excelso, o Supremo, não conseguia vê-Lo como o Aba Pai. Ensinamentos distorcidos da Pessoa de Deus, da Sua palavra contribuíram para um relacionamento morno com o Pai. Embora soubesse quem Ele era, o sabia por conta de experiências compartilhadas, mas não de algo que eu experimentara. Nos últimos anos, cadeia por cadeia foi sendo quebrada na minha vida. Pude ver nitidamente grilhões quebrando-se diante da manifestação da glória de Deus. E ainda sei que muito precisa ser aparado, por isso tenho dito ao Senhor: Eis-me aqui!

Quando tomei o livro em minhas mãos, existia em meu coração a certeza de que Deus queria levar-me a um novo nível.  Meu coração já não era o mesmo de outrora, muito menos minha mente; era o tempo da preparação de Deus em minha vida, e ainda o é! Deus buscara imprimir em mim Seu caráter, e o caminho era árduo e longo.

No começo desse ano, em uma de minhas conversas com Ele, três palavras arderam em meu espírito. Era Deus requerendo da Sua igreja, ou seja, de cada um de nós! Duas delas são: Santidade e evangelismo. Chegou o tempo de refletir o Pai! Chegou o tempo de nos dedicarmos a Ele; dedicar é se entregar, se envolver, se comprometer; mas não por ser certo ou obrigatório, apenas por amar Aquele que nos amou primeiro.

Entendi que as três palavras estavam profundamente interligadas. Somos do Senhor! Escolhidos para sermos Sua imagem e semelhança. Somos definidos como coroa da criação! Aquele que é Todo-Poderoso escolheu nos chamar de filhos! Agrada ao Deus Maravilhoso ouvir das nossas bocas a expressão Aba Pai! E esse mesmo Deus que nos escolheu, é Santo! Ele é Santo! Como aqueles que emanam a Sua presença, temos que ser santos também.

Os que são do Senhor, são canais Dele! Instrumentos vivos do Seu Espírito! Logo, através desse mesmo Espírito, nosso precioso amigo Espírito Santo, somos conduzidos a levar o amor de Deus àqueles que desconhecem a Sua pessoa; encarregados de falar de Seu amor e mais, de demonstrar esse. Fomos chamados para amar, e o evangelismo é nada além do que o amor de Cristo em nós!

Entretanto, enquanto entendia essas palavras o Espírito Santo me mostrava: Existe um fundamento para que a santidade e o evangelismo ardam em seus corações! Perguntei: Qual Senhor? E a resposta foi suave e simples: Intimidade! Intimidade Comigo. Entendi que não é possível dar aquilo que não tenho!

Intimidade. Uma palavra tão conhecida, cantada, mas pouco vivida. Intimidade: Não era uma expressão metafórica; era o que Deus requeria objetivamente de Seu povo. Apenas aqueles que são íntimos O conhecem; somente os íntimos O amam de todo coração. Ser íntimo é o nível mais profundo que se pode alcançar num relacionamento. Os íntimos desfrutam de momentos especiais, únicos; conhecem sonhos, desejos planos do outro; vivem uma comunhão plena. A intimidade traz confiança! E apenas os íntimos são capazes de se entregar sem reservas.

Conhecendo em profundidade ao meu Senhor; eu O amaria. E esse amor genuíno por Ele, promoveria em meu coração o desejo em ser como Ele é, e meu coração arderia por santidade! Vivendo em intimidade com Deus, eu conheceria a pessoa do Espírito Santo, viveria movida por Ele e haveria amor em mim pelo outro; pelo próximo. Cheia da glória de Deus, eu seria um instrumento real da Sua presença, e assim poderia sair das quatro paredes que me cercam a fim de falar Dele.

Minha oração mudou. Um desejo incontrolável, um desespero instalou-se dentro de mim: Eu queria conhecê-Lo! Ansiava por vê-Lo como Ele era. Eu queria ver o meu Deus face a face! Não me importava mais os meus problemas, os desejos da minha carne; eu ansiava por intimidade. Não queria respostas; não queria milagres; queria Ele tão somente!

Manhãs, tardes, madrugadas de buscas, sozinha, no meu aposento de oração. Muitas vezes sem dizer nada, apenas sentindo Sua presença. Como um filho que chega ao quarto do Pai, e O vê deitado à cama. Ele caminha, adentra o quarto, e sem pestanejar se lança nela, por ansiar intensamente pelo Pai. Ele se joga sem medo de mostrar suas debilidades, de demonstrar sua total dependência Aquele deitado ali. Ele abraça o Pai. Sem dizer uma palavra apenas sorri, pensando: ah, esse é o meu Pai!

Numa tarde especial, a presença de Deus era tão forte em minha casa que não consegui ficar de pé; jogada ao chão, chorava intensamente e num breve momento pensei: Pai, estou louca! E o Espírito me disse: Você não está louca, está apaixonada por Mim! Era isso! Eu precisava de paixão no meu coração! Paixão pelo meu Deus! Paixão por Jesus! Deus não está à procura daqueles que o amam apenas; Ele busca os que estão apaixonados por Ele. Porque apaixonados, nos entregamos, nos lançamos.

Quanto mais busco intimidade com Deus, mais vazia preciso estar. Vazia de mim: dos meus conceitos, opiniões, julgamentos, críticas, dos meus sonhos, planos. A cada dia sonhos há tanto tempo acalentados; desejos pulsantes, perdem-se na minha trajetória em busca por mais de Deus; são consumidos pela glória do meu Senhor.

Minha vida tem tornado-se uma página em branco. Antes rascunhada de estratagemas, moldes, pré-concepções; hoje, desenhada a cada dia por um direcionamento de Deus. Parece bem quista a expressão! Emociona, sensibiliza a teoria; mas tenho vivido a prática. Não é fácil tomar a cruz; naturalmente foge-se dela, mas é o amor por Ele que nos mantém firmes. Em branco, continua a página. Tenho aberto mão das experiências anteriores, as relato, mas não quero viver delas! Sei que como o maná, Deus tem pra mim uma nova porção a cada dia. As experiências que tive com Ele ontem, não valem mais! Eu quero o hoje!! Quero o mais, porque sei que tem mais!!! Eu escolhi viver o absurdo de Deus!!! Quero dançar no Seu sobrenatural!!Não quero mais gotas da Sua presença, Suas visitações; quero permanecer diante Dele!!!

Cessou o tempo de apenas tocarmos Seus pés!!! Chegou ao fim o tempo de contemplarmos Suas mãos!! É chegado o tempo de beijarmos Sua face!!! De vermos como Ele é!!! É preciso mergulhar em Deus!!! Que venhamos a mergulhar cada vez mais fundo. Submersos no Rio de Deus, nenhum agente exterior nos amedronta; tudo se torna ínfimo diante da grandeza de Suas águas. Quero chegar a um nível tão profundo no Rio de Deus que não seja mais possível voltar atrás!!! Que eu não saiba mais respirar fora de Suas águas!!! Que escolhamos nos deleitar na Sua glória, independente do preço que preciso for pago!

“Como posso expressar
Tão grande amor por mim?
Como posso pagar essa dívida de amor??
Só posso entregar
Minha vida em Teu altar!”

(André Valadão)

Anúncios