You are currently browsing the category archive for the ‘Uncategorized’ category.

Há cada dia algo novo se mostra, se desenha a minha frente!!! Vejo Deus me conduzindo em todos as situações, inclusive nos detalhes… Um dia muito especial se aproxima na minha vida! Um dia de concretização do sonho de Deus p mim! Depois de muita luta, muito ranger de dentes; momentos em que quase desisti de viver o melhor de Deus. Mas Ele na sua infinita graça, me sustentou, e me renovou durante todos esses anos de trabalho.

Estou vivendo o novo de Deus! A nova chance, o RECOMEÇO!!! E como diz a palavra, a glória da última casa está sendo verdadeiramente maior do que a da primeira! Muito maior! Deus está me ensinando a conquistar e a realizar Seus planos na minha vida… quero apenas obedecê-Lo em todo direcionamento…

Ainda faltam alguns meses… Estou na contagem regressiva!!! Onde em meio a toda aquela multidão vou glorificar e exaltar ao Rei dos reis!! Ao Único digno de honra!!! A Quem sou TOTALMENTE grata!!!

Esses dias tive q tomar algumas decisões burocráticas… mas uma música não saia da minha mente e ela retrata toda a minha trajetória… nessa empreitada q Deus tem me conduzindo nesses anos…

EU VOU DANÇAR NO SOBRENATURAL!!!

Dias de maravilhas!!! Muitas mudanças, muitos recomeços e muitas lutas também. Todas as vezes que caminhamos em direção ao alvo, Satanás se levanta a nos afrontar e lançar grandes pedras sobre nós. A intenção é clara: Tornar-nos estátuas apáticas.

Há alguns dias, iniciei um estudo mais aprofundado sobre batalha espiritual e entendi que o mundo espiritual é muito mais real do que o natural. Citamos essa afirmação com muita frequência, mas me parece que não a vivemos propriamente; a encaramos apenas como uma tese; mas não como uma verdade absoluta, a qual ela realmente é. Esse estudo deu a minha visão um ângulo mais amplo. Entendi que guerra espiritual não é uma citação hiperbólica, mas é guerra no total sentido da palavra.

Entretanto, não era esse o desejo do inimigo. Como já foi compartilhado em outros textos, ele fará de tudo para nos distrair e tirar os nossos olhos daquilo que é importante. Em decorrência do meu posicionamento, uma enxurrada de pedregulhos foi lançada sobre mim. Satanás lançou mão das artimanhas mais hostis a fim de me parar e limitar o agir de Deus na minha vida.

Foram dias de sofrimento sim, dias de luta intensa contra a carne corruptível. Mas a palavra diz: “Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.” 2 Coríntios 4:16. Quanto maior era a inclinação do vale; mais alto eu entendi que subiria. Maior era o monte que Deus estava preparando para mim.

Embora entendesse todas essas coisas, minha humanidade levou minha alma a se entristecer. Entrei em crise; não por causa de Deus; mas por causa de mim. Entendi que pelas minhas forças nunca seria quem Deus almejava que eu fosse; que pelas minhas próprias mãos jamais conseguiria realizar os sonhos dEle na minha vida. Estava humilhada diante do altar do Senhor… diante do meu querido Pai. Todas as minhas fragilidades, debilidades, estavam expostas, como alguém que encara um espelho e consegue olhar p dentro de si.

Muito foi o tempo que permaneci em silêncio na presença de Deus deixando somente minhas lágrimas falarem por mim. Estava como um bebê deitado sobre o peito do seu pai e conforme ele ouve as batidas do seu coração, ele se acalma gradativo até descansar totalmente. Assim, era eu, uma criança desesperada pelo peito do Pai, pelo colo Dele; conforme eu sentia sua presença e ouvia Sua voz, eu lentamente começava a descansar, até estar totalmente entregue em Seus braços.

Então o Espírito me disse: “O que você vai fazer com essas pedras que jogaram sobre você? Vai guardá-las? Ou vai deixá-las ao chão? Não vale a pena segurá-las, elas só vão impedir que você cresça! Serão um peso contrário a sua subida. Deixe isso de lado e continue subindo!”

A revelação caiu totalmente no meu coração. Naquele momento, senti um grande alívio e a angústia se foi. Todavia, o diabo não se cansa de nos tentar; ele é o nosso inimigo constante, que anda ao nosso de redor.  Outras situações se levantaram. Agora circunstâncias aparentemente contrárias a tudo que Deus tem me dito. O objetivo era me desestabilizar.

Mas dessa vez, Deus se mostrou de uma forma extraordinária. De uma das maneiras mais bonitas que já experimentei. Enquanto me preparava para dormir na madrugada, ele me disse: “Deixe-me brincar com você! Abrace-me, suba sobre os meus pés e deixe que eu a conduza sem que você saiba para onde está indo. Te levar sem que você saiba para onde estou te levando! Só continue abraçada a mim e você vai ver que tudo vai dar certo, que sei o que estou fazendo.”

O amor Dele me constrange a cada dia mais. Como não amar ao nosso Deus? Diante de tanto amor minha única resposta foi… Sim Pai… quero brincar com Você!!! Quero muito brincar com Você!!!

“Vazio estou, Senhor
Carente do Teu amor
Tudo que já provei de Ti
Só me fez depender de Ti

Com cordas de amor
Você me amarrou
E me prendeu a Ti
Minh’alma está apregada a Ti

Abraça-me e eu Te abraçarei
Beija-me e eu Te beijarei
Inunda o meu ser com Teu amor
Completamente
Satura-me com o Teu coração
Aperta-me com toque de Tuas mãos
E eu destilarei toda doçura do Teu ser”

Outro vídeo q falou mto comigo em uma linda madrugada, em q minhas lágrimas expuseram a Deus minha total dependência Nele!!! Esse vídeo conta basicamente a minha história: um ser humano falho, cheio de defeitos; mas q encontrou o deleite na presença de Deus e entendeu Ele era TUDO… TUDO no meio da nada q era sua própria existência.

Sem palavras para dizer quão maravilhoso é o meu Senhor…

abaixo um vídeo q falou muito comigo nessa madrugada!! Resposta de Deus p mim…

Não temerei más notícias!!!

“Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti.” Isaías 26:3

Ansiedade: Aflição, angústia, ânsia; Atitude emotiva concernente ao futuro e que é caracterizada por uma alternância entre medo e esperança; Impaciência, insofrimento, sofreguidão.

Dias de anseios. Posso definir assim, os últimos dias. Deus nos dá uma palavra, nos afirma categoricamente Suas promessas, e ao invés de descansarmos, nos vemos angustiados. Nossa dificuldade não está em confiar, mas em deixar de querer controlar. Naturalmente somos controladores.

Há algum tempo li que a imaginação sem a sabedoria de Deus é uma arma cruel, e quero acrescentar que se torna letal também. Quando imaginamos, nos sentimos divinos, controladores, detemos o domínio de acontecimentos; tudo ilusório. Só alimentamos continuamente incertezas, inseguranças, medos, falsas expectativas. A palavra diz que os nossos pensamentos não são os pensamentos Dele.

Enquanto a ansiedade nos preenche um cenário peculiar se desenha na nossa vida: Perdemos energia naquilo que não é importante. Vivenciando dias de lutas travadas na minha mente, pude perceber que algo desagradável acontecia: eu estava me distraindo; deixando de olhar para aquilo que era importante. Como diz um determinado pastor: tirando a coisa principal do lugar da coisa pirncipal! Mais claramente: Tirando Jesus do centro e colocando meus anseios, as circunstâncias.

A descentralização é uma das armas mais utilizadas por Satanás para nos enfraquecer e nos tornar soldados despreparados. Quando retiramos Jesus do centro, tudo a nossa volta se desconstrói, porque Ele é a base, o fundamento! O resultado dessa movimentação errada é a confusão! Na verdade uma grande confusão!

Ao entender o que estava acontecendo comigo, perguntei ao Senhor: Porque agi assim Pai? E Ele me respondeu: Porque você supervalorizou sua situação! A supervalorização dos nossos problemas acarreta uma dedicação exclusiva àquilo que nos preocupa e ao agirmos assim dizemos que Deus não é capaz de agir.

A expressão “descansar em Deus” tornou-se, no meio Cristão, um tanto quanto figurativa. Dizemos que estamos descansando; mas nosso corpo, nosso discurso e sentimentos emanam tensão. Declaramos mais uma vez algo que não vivemos. E tornamos mais uma vez ao assunto mais falado nesse blog (rs):  só consegue descansar em Deus, quem confia Nele! Só confia Nele, quem verdadeiramente O conhece! Só podemos conhecê-Lo, quando caminhamos com Ele, e temos um relacionamento Com o Pai!

Não há como fugir! Essa é a base! Ele morreu para que tivessemos esse relacionamento! Descansar em Deus não é dizer que confiamos porque temos fé apenas. Essa fé que reflete a expressão “Eu creio e assim verei um milagre, porque assim Ele disse” é uma fé egoísta, que busca a satisfação do “eu”; que não tem nada a ver com renúncia, ou mortifcação da carne; pelo contrário objetiva o individualismo, a própria vontade!

O descanso do qual eu falo está fundamentado na fé naquilo que Ele é, e não naquilo que Ele pode fazer!! É saber que Ele vai agir não por causa da minha fé, para gerar um milagre para mim; mas é ter a certeza de que sei que Ele agirá por que sei quem Ele é!!! Porque ando com Ele, porque Ele é meu amigo! Esse tem sido meu pedido: Quero Senhor ser reconhecida por Ti, como não somente aquela que anda contigo; mas como aquela que pode ser chamada tua amiga!

Ao tirá-Lo do centro, vemos a deturpação da nossa escala de prioridades! A comunhão com Ele que era fundamental, passa a ser secundária; e o que era inferior, toma os primeiros lugares na escala da nossa vida. O Espírito deixa de ser alimentado e a carne prossegue continuamente a ser saciada através daquilo que vemos e ouvimos. Somos naturalmente massacrados por informações de valores desse mundo, sem sequer ensaiarmos uma luta porque passamos a viver uma vida consideravelmente carnal.

Vivendo na carne, nos tornamos insensíveis á voz de Deus. Tomamos o formato do mundo numa “naturalidade” quase imperceptível a nós. Embora saibamos que o Espírito está falando é preferível fingir não ouvir, a voltar atrás num caminho já tão percorrido.  Deixamos-nos envolver pela situação, damos crédito às dúvidas e incertezas lançadas por Satanás e enlouquecemos diante do sofrimento eminente. Tanto sofrimento desnecessário! Era apenas para confiar e entender que Ele sabe sempre o que faz.

A descentralização é uma artimanha para nos fazer idolatrar! Porque Satanás sabe que a idolatria é abominável ao Senhor. Nosso inimigo sabe que estamos atentos a grandes obstáculos, sabemos bem dimensioná-los; entretanto, ele também sabe, que na maior parte das vezes, não observamos os pequenos detalhes; as pequenas pedras à nossa frente. É preciso estar vigilante e atentar para todo e qualquer detalhe.  Discernindo as mais ardilosas investidas de Satanás, nada tirará nossos olhos do Senhor; mas para isso é preciso conhecê-Lo, verdadeiramente andar com Ele.

“Confia no SENHOR de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento.” Provérbios 3:5


“Mas o povo não quis obedecer a voz de Samuel, e disseram: Não, haja um rei sobre nós,  E nós também sejamos como todas as nações, e para que o nosso rei nos julgue, e saia adiante de nós e peleje as nossas batalhas.” I Samuel 8: 19-20.

Deus escolheu fazer diferente! Essa é uma afirmação cada vez mais vivída em mim nesses dias. Observo ao meu redor homens e mulheres vivendo experiências específicas com Deus. Vejo-os usufruindode bênçãos materiais; alcançando promessas há tanto acalentadas, e me alegro ao ver a fidelidade de Deus nessas vidas.

Entretanto, a afirmação continua latente no meu coração: Deus quer fazer diferente! Porque por tantas vezes o Espírito tem ministrado essa revelação a mim? A resposta é simples: Porque Ele quer assim.

Complicado entender a soberania de Deus, quando nos achamos soberanos, ainda que não o confessemos. Dificil assimilar a diferença quando estamos adaptados ao senso comum. A religiosidade cria padrões, fôrmas para o agir do Espírito. Deixa-se de viver um relacionamento com Pai, para viver-se um sistema que O reivindica. Colocamos o Espírito Santo num compartimento e delimitamos sua movimentação. Extinguimos o Espírito e vivemos um nível de mediocridade totalmente aquém daquilo que Deus sonhou, porque não entendemos que Ele quer fazer diferente!

Há alguns dias, enquanto estudava o livro de I Samuel, uma palavra muito específica tocou o meu coração. Tenho vivido dias de muitos desafios; mas o principal deles é deixar de racionalizar e confiar tão somente em Deus. Como já disse anteriormente, esse é um dos maiores desafios na minha vida e acredito que nada vida de qualquer homem e mulher que busca viver no centro da vontade de Deus. Quanto mais me aproximo de Deus, mais tenho de morrer para aquilo que acho e viver para o direcionamento do Espírito Santo.

Nesses dias, o Senhor me disse: Eu quero fazer diferente com você! Não olhe para os outros! Porque eu quero fazer de uma maneira especial… Sobrenatural. No momento que ouvi isso, meu coração inflou-se de um profundo amor pelo Pai; e pensei: Que lindo Senhor! Mas depois comecei assimilar a palavra num todo.  Sim, eu estava tentando outra vez moldar a minha vida, só que agora baseada nas experiências de outras pessoas, quando na verdade, Deus queria que eu desfrutasse de experiências únicas na presença Dele. Se outras nações tinham um rei, não deveria me interessar, porque eu deveria entender que comigo seria diferente! Seria absurdo mesmo.

Ele optou por fazer de uma forma diferente e a minha escolha deveria ser confiar tão somente. Deixar de olhar para os outros e manter os olhos fixos em Cristo. Confiando, eu sou capaz de obedecer a todo e qualquer direcionamento Dele sem pestanejar, e é isso que Ele quer: Forjar o meu caráter e me ensinar o princípio real da entrega; a entrega que vence o medo, que vence a covardia.

“E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Mateus 25: 33-40

Há algum tempo não escrevo aqui; não por falta de experiências, mas por escassez de tempo para relatá-las. Tenho experimentado dias maravilhosos na doce e suave presença do meu Senhor. Vejo, a cada dia sonhos, Dele pra minha vida tomarem forma, se concretizando; Ele tem muito mais do que me abençoado, tem se mostrado de maneira muito especial.

Em março desse ano, um trabalho começou a ser realizado por um grupo de amigos, da minha igreja (Projeto Vida Nova): Jesus, o Pão da Vida. Um sábado ao mês, eles acordam às 4h30 da manhã para irem em direção ao Centro da Cidade do Rio de Janeiro a fim de realizarem uma ação evangelística com moradores de rua. Lembro-me da primeira vez que meu amigo Maike conversou comigo acerca da revelação que Deus dera a ele. Depois de ouvir tudo que ele me dizia, eu disse: Estamos juntos! Pode contar comigo. Assim como eu, cerca de mais 10 amigos se uniram a revelação q Deus estava dando. Regamos com muita oração esse projeto e tivemos a bênção dos nossos pastores: Respaldo do Senhor!

Na primeira ação, estávamos um pouco receosos, seria o primeiro passo rumo a um projeto que era muito maior do que estaríamos fazendo alí. Mas um louvor encheu nossos corações a caminho do evangelismo: “É Meu, somente Meu, todo trabalho e o teu trabalho é descansar em Mim…”. Era o Pai falando conosco, mostrando-se à nossa frente.  Nesse dia tive experiências muito marcantes com Deus. Desde comtemplar o cuidado de Deus com um bebê de poucos meses, a enxergar o novo nascimento de uma senhora que tinha tido sua identidade destruída por Satanás.

Essa última me marcou profundamente. Ela estava à frente de uma igreja católica conhecida esmolando, e fomos oferecer-lhe o café da manhã; ao perguntarmos o nome dela, ela não conseguia dizê-lo porque ao fazê-lo más recordações vinham ao seu coração. Quando ela realmente disse seu nome, começou a declarar: Eu sou imunda, sou suja, não presto; enquanto dizia, uma irmã dizia a ela: Você é princesa do Senhor, preciosa, menina dos olhos de Deus; e aquela senhora desabou num choro profundo, era mais uma desviada dos caminhos do Senhor. Ao final daquela abordagem, depois de orarmos por ela, essa nos disse: Obrigada, por me trazer nova vida! Não fui capaz de segurar minhas lágrimas… Meu coração se encheu de um profundo amor por aquela vida.

Nesse mesmo dia, outra situação vivenciada também provocou em mim um turbilhão. Ao chegarmos à Praça XV, encontramos um rapaz jovem, com aproximadamente a minha idade deitado sobre um papelão. Ao seu lado, seus documentos; em seus olhos, algumas lágrimas contidas. Iniciamos uma conversa com esse menino, e num determinado momento, lhe perguntei: Qual era seu sonho antes de chegar até aqui? E ele me respondeu: Meu sonho? Eu queria ter uma esposa, filhos, uma casa; eu queria ser pedreiro. A simplicidade daquele menino me comoveu completamente. Oramos por ele, e ao final seu semblante era outro, totalmente mudado. Então eu disse a ele: Talvez vc não entenda, mas quero te dizer uma coisa; antes que chegassemos aqui você falava com Deus, e nós somos a resposta Dele pra você. Nesse momento, os olhos do rapaz ficaram marejados de lágrimas e nós voltamos rumo à continuidade do trabalho.

Já fizemos mais três trabalhos como esse. Há cada saída evangelística algo novo acontece; desfrutamos de experiências marcantes por Deus. Somos usados sim por Deus para gerar vida, para restaurá-las, mas também somos demasiadamente marcados por essas mesmas vidas. Vemos implícito em nós pelo Espírito a manifestação do amor de Cristo. Iniciamos passos que nos retiram de uma vida fundamentalmente teórica e para nos lançar na prática do evangelho de Cristo.

Estamos agora em busca de instituições que façam parceria conosco a fim de restaurar as vidas que optam pelo conserto. A entrega do café da manhã é apenas o primeiro passo de um sonho; nosso objetivo é restaurar e reintegrar essas pessoas no contexto social. Um ensaio do segundo passo foi realizado na primeira reunião após a nossa segunda saída; conseguimos fazer contato com a mãe de um morador de rua, oramos com aquela mãe e vimos a esperança ser devolvida aquela mulher. É o começo! Ainda há muito para ser percorrido… mas continuamos a dizer: Eis-nos aqui…

“Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?” Romanos 10:14


Um relato sobre experiências vividas nos três dias do ENCORAJ TOTAL corrido em maio de 2010…

O ENCORAJ foi para mim sinônimo de renúncia, morte do “eu”. Os dias que o antecederam foram marcados por um confronto intenso da parte de Deus. Uma frase era latente, brotava pulsante, diante da presença de Deus: O fogo não desce sobre um altar vazio. Então entendia, estava viva, muito viva.

Deus ministrou sobre meu coração a necessidade de ir a esse encontro semanas antes, mas só efetuei minha inscrição no último domingo. Havia algo muito importante marcado no domingo, último dia do ENCORAJ: seriam realizadas as fotos da minha colação de grau, me formo no final desse ano, e não havia possibilidade de remarcação dessas fotos. Entretanto, eu sabia que deveria estar retirada para Deus nesses dias.

Obedeci a Deus, renunciei mais uma vez a algo que achava que era correto em favor do que Deus me direcionava. Digo mais uma vez, porque o último ano foi marcado por muitas renúncias. Padrões, conceitos pré-formados, planos, sonhos; tudo que havia rascunhado cuidadosamente para o meu futuro foi destruído quando escolhi alinhar minha vontade à vontade do Pai. Todavia, ainda buscava encaixar minha lógica às situações que se apresentavam diante de mim, e era exatamente isso que estava fazendo ao ignorar a voz do Espírito. Não entendia que Deus estava me ensinando a dependência integral Nele, que Ele estava me ensinando a caminhar sobre as águas.

No primeiro dia, quando chegamos ao sítio, uma grande batalha foi travada na minha mente. Ao encostar a cabeça no travesseiro, ouvi nitidamente o Espírito; contemplei o amor incondicional do Pai naquela madrugada. Dia seguinte. Deus usa a primeira palestrante para falar EXATAMENTE o que Ele falara a mim semanas antes: a mesma frase, a mesma expressão que faço uso quando estou no meu aposento de oração. No momento seguinte, Ele me pediu que desfizesse de algo que era extremamente importante para mim; lembranças tão acalentadas foram esvaindo-se enquanto colocava tudo diante do altar do Senhor.

Nesse mesmo dia, enquanto todas estavam concentradas num determinado alvo, Ele me convidou a caminhar. Retirei-me sozinha e aparentemente sem rumo; Sentei-me a um canto e Sua presença me tomou. Contemplei Sua voz doce, firme: “Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder sua vida por amor de mim, achá-la-á.”Mt 16:25; era o Espírito me dizendo: “Se entrega minha filha, se entrega!”. Ainda existiam barreiras e Deus sabia disso. Naquela noite, uma irmã foi usada por Deus a fim de expor isso, ela dizia: “Sabe qual o problema, Priscila, você se entregou às manifestações do Espírito, mas não entregou a sua vontade.”

Muros de justificativas desabaram diante da palavra revelada. Sim, eu estava muito viva! Embora tivesse renunciado a questões importantes na minha vida, muitas outras permaneciam firmes; eram fortalezas estabelecidas. Enquanto ruminava tudo isso, o Espírito complementava Sua palavra me dizendo: “Auto-preservação na Minha presença é morte espiritual.” Naquele fim de noite, senti firme a mão do Oleiro, manuseando-me como massa dura, levando-me ao fogo e amolecendo meu coração. Não conseguia nem mesmo ficar ajoelhada diante do altar, levei meu rosto ao chão e assim permaneci; um misto de arrependimento e amor era o que havia em mim; estava ali reconhecendo que era dependente, que não havia mais sentido a minha vontade. Eu havia desistido de racionalizar e aceitado viver o sobrenatural de Deus.

Domingo. Último dia. Manhã em quem as fotos da minha formatura seriam realizadas. Acreditei durante toda a semana que choveria e dessa forma o evento seria desmarcado. Surpreendi-me quando contemplei o céu e nem uma menção de nuvens. Não choveu. Nem uma gota. Sim, minha colação de grau não será comum com os demais; será uma cerimônia privada porque assim quis o Senhor. Morrendo, morrendo e morrendo. Não existia outra expressão.

Momento seguinte. Deus lembrando meu chamado. A palestrante falava algo tão simples e meu coração ardia, as lágrimas desprendiam-se com facilidade, não havia controle. Sempre soube o chamado de Deus à minha vida, mas durante muito tempo fugi. Muitos eram os motivos, muitas eram as questões que me afastavam daquilo que Ele queria. Entretanto, o último ano fora marcado por uma quebra de tudo isso. Quem antes caminhava no sentido contrário ao da promessa; agora corria em direção aquilo que era importante. Palavras proféticas foram liberadas sobre mim e afirmo que TODAS, todas elas, eram confirmações do que Deus já havia me dito.

Antes de ir ao ENCORAJ, todas as vezes que conversava com o Pai e me lançava tão somente em Seus braços; um desejo ardente pulsava, gritava dentro de mim: eu queria mais, muito mais Dele; não me referia àquilo que Suas mãos poderiam fazer; ansiava por ir a níveis na presença Dele poucos explorados; desejava conhecê-Lo de forma especial, além do normal; totalmente sobrenatural. Não era uma busca por dons, nem bens materiais; embora de fato os quisesse. Eu só O queria, mais do que tudo! Conhecer a freqüência das batidas do Seu coração; colocar um sorriso na Sua face. E Deus contemplou meu pedido, meu anseio, naquele lugar. Já experimentara experiências sobrenaturais com Deus, mas nada se comparara ao que vivi ali. Meu pedido era muito específico e Deus fez EXATAMENTE o que havia pedido.

Última ministração. Sentia que meu coração não suportaria o tanto que Deus estava fazendo na minha vida. A última palestrante fez menção de expressões que eu bem conhecia; Ele estava trazendo à minha memória áquilo que produzia esperança. Eu precisava crer e o Pai sabia disso. O último momento foi uma explosão, essa é a melhor definição. Ele me presentou com muito do que eu pedira há tempos, dons específicos, unções especiais; e enquanto isso acontecia, ouvia uma voz que dizia: Ela largou tudo… Ela largou tudo! Era uma irmã, tomada pelo Espírito ministrando sobre mim. Sim, o Senhor sabia e naquele momento afirmava que recebera a minha entrega.

Posso afirmar categoricamente que o ENCORAJ foi marcado por definições na minha vida. Muito foi definido, detalhado, e revelado. Continuo morrendo a cada dia; porque sei que é preciso chegar ao fim de mim mesma para que a glória do Senhor seja manifesta. Por que me satisfazer com migalhas de Sua presença, se sei que posso experimentar um banquete? O ENCORAJ aumentou consideravelmente minha fome! Quero mais! Muito mais!!!

“Era uma dança na qual o coração dançava, à medida que nos movíamos para a mais profunda adoração. Era como se um poço de alegria tivesse sido desimpedido…”

Liberdade! Lembro-me bem do dia em que fui curada de um trauma profundo na minha vida! Naquela noite, quando deitei a cabeça ao travesseiro, eu me vi dançando, dançando leve e delicadamente. Assustei-me. Não sou ministra de dança. Inversamente a isso. Suponhamos que meu corpo, na época, movimentava-se pesada e estranhamente (risos). E nesses segundos em que racionalizava a visão, o Espírito ministrava em meu coração: “A dança aponta para liberdade no meu Espírito”. Então compreendi que a cura que havia acontecido destruíra os grilhões q me aprisionavam.  Minha vida mudou completamente a partir desse dia.

Dias, meses, anos. O tempo passou e Deus começou a ministrar em meu coração novamente a palavra dança. Por um direcionamento do Espírito Santo, fui ao Congresso de dança da Igreja Verdade e Vida. Foram dois dias que pude estar ali, usufruindo da presença de Deus, do amor profundo do meu Senhor. No primeiro dia de congresso, fui agraciada pela ministração de um missionário angolano. Deus confirmou palavras, sonhos Dele pra minha vida naquele dia. Entretanto, algo muito especial foi ministrado pelo Espírito a mim: “Sua adoração nunca mais será a mesma.” O impacto dessa afirmação foi muito grande e real.

No dia seguinte, o fechamento do congresso, dia em que minha amiga pregou, foi único e sobrenatural. Só a entrada naquela igreja pequena, simples, mas profundamente ligada ao Espírito Santo, já testificava em meu espírito que Deus ia se manifestar de forma grandiosa.  O ministério de louvor começou a ministrar, mas eu entendia que minha adoração já estava acontecendo! Uma revelação profunda chegara ao meu coração: a adoração não era algo que fora chamada a fazer, mas era a essência, a essência de quem fora criado para ser!!

Realmente, minha adoração não era mais a mesma! Não apenas minha boca proferia louvores ao Senhor, mas eu sentia todo o meu ser movimentando-se, inclinando-se ao Meu Amado! Em determinado momento, uma ministração de guerra foi realizada, e o Espírito Santo me tomou: brotou do meu coração uma profunda adoração que expressei através da dança. Nunca havia vivido nada semelhante. Naquele dia lancei-me no sobrenatural e deixe-me conduzir por Ele.

Dias depois, sozinha com Deus, entendi que o propósito de Dele comigo e a dança: Ensinar a dependência integral! Estava, eu, aprendendo a não depender parcialmente de Deus, mas totalmente! Ele ministrava em meu coração que para que eu cumprisse o Seu chamado na minha vida, era preciso me entregar… era preciso dançar! Eis-me aqui Senhor!

“Vem saltando sobre os montes
de Jerusalém,
Sou Tua noiva apaixonada, Te
esperando para dançar.”

“Estes são dias de anseios. Eu o trarei para um lugar de desejo por Mim,” disse o Senhor. “Eu irei sobrepujar todos os dons em tua vida. Irei trazê-lo para o extremo da vida abundante do meu Espírito. Estes serão dias de anseio, de um desejo tanto por Mim quanto por coisas que não pertencem a Mim. Estou ansioso por você. Você está ansioso por Mim, assim como estou ansioso por você?”, disse o Senhor. “Estes são dias de anseio. Estou levantando um povo de anseios nestes dias. Um povo arruinado pela vida ordinária; povo de anseios. Estou procurando por um povo de anseios.” Sam Hinn, em trecho do livro Beijando a face de Deus.

Dias de anseios. O impacto que essa pequena frase me causou foi absurdo. Quando peguei o livro em minhas mãos, entendi que algo seria movido dentro de mim ao lê-lo; mas não cogitei que fosse logo ao começo do primeiro capítulo. Tenho experimentado momentos maravilhosos na presença de Deus, como tenho relatado aqui; mas esse trecho acima desafiou profundamente meu relacionamento com Deus. Quero mais! Sei que tem mais Dele para ser desfrutado! Não me refiro a Suas bênçãos, aquilo que Suas mãos podem fazer; estou falando de conhecê-Lo mesmo, como nunca conheci.

Durante muito tempo, muralhas existiam entre Deus e eu. Por enxergá-Lo como o Todo-Poderoso, o Magnífico, o Excelso, o Supremo, não conseguia vê-Lo como o Aba Pai. Ensinamentos distorcidos da Pessoa de Deus, da Sua palavra contribuíram para um relacionamento morno com o Pai. Embora soubesse quem Ele era, o sabia por conta de experiências compartilhadas, mas não de algo que eu experimentara. Nos últimos anos, cadeia por cadeia foi sendo quebrada na minha vida. Pude ver nitidamente grilhões quebrando-se diante da manifestação da glória de Deus. E ainda sei que muito precisa ser aparado, por isso tenho dito ao Senhor: Eis-me aqui!

Quando tomei o livro em minhas mãos, existia em meu coração a certeza de que Deus queria levar-me a um novo nível.  Meu coração já não era o mesmo de outrora, muito menos minha mente; era o tempo da preparação de Deus em minha vida, e ainda o é! Deus buscara imprimir em mim Seu caráter, e o caminho era árduo e longo.

No começo desse ano, em uma de minhas conversas com Ele, três palavras arderam em meu espírito. Era Deus requerendo da Sua igreja, ou seja, de cada um de nós! Duas delas são: Santidade e evangelismo. Chegou o tempo de refletir o Pai! Chegou o tempo de nos dedicarmos a Ele; dedicar é se entregar, se envolver, se comprometer; mas não por ser certo ou obrigatório, apenas por amar Aquele que nos amou primeiro.

Entendi que as três palavras estavam profundamente interligadas. Somos do Senhor! Escolhidos para sermos Sua imagem e semelhança. Somos definidos como coroa da criação! Aquele que é Todo-Poderoso escolheu nos chamar de filhos! Agrada ao Deus Maravilhoso ouvir das nossas bocas a expressão Aba Pai! E esse mesmo Deus que nos escolheu, é Santo! Ele é Santo! Como aqueles que emanam a Sua presença, temos que ser santos também.

Os que são do Senhor, são canais Dele! Instrumentos vivos do Seu Espírito! Logo, através desse mesmo Espírito, nosso precioso amigo Espírito Santo, somos conduzidos a levar o amor de Deus àqueles que desconhecem a Sua pessoa; encarregados de falar de Seu amor e mais, de demonstrar esse. Fomos chamados para amar, e o evangelismo é nada além do que o amor de Cristo em nós!

Entretanto, enquanto entendia essas palavras o Espírito Santo me mostrava: Existe um fundamento para que a santidade e o evangelismo ardam em seus corações! Perguntei: Qual Senhor? E a resposta foi suave e simples: Intimidade! Intimidade Comigo. Entendi que não é possível dar aquilo que não tenho!

Intimidade. Uma palavra tão conhecida, cantada, mas pouco vivida. Intimidade: Não era uma expressão metafórica; era o que Deus requeria objetivamente de Seu povo. Apenas aqueles que são íntimos O conhecem; somente os íntimos O amam de todo coração. Ser íntimo é o nível mais profundo que se pode alcançar num relacionamento. Os íntimos desfrutam de momentos especiais, únicos; conhecem sonhos, desejos planos do outro; vivem uma comunhão plena. A intimidade traz confiança! E apenas os íntimos são capazes de se entregar sem reservas.

Conhecendo em profundidade ao meu Senhor; eu O amaria. E esse amor genuíno por Ele, promoveria em meu coração o desejo em ser como Ele é, e meu coração arderia por santidade! Vivendo em intimidade com Deus, eu conheceria a pessoa do Espírito Santo, viveria movida por Ele e haveria amor em mim pelo outro; pelo próximo. Cheia da glória de Deus, eu seria um instrumento real da Sua presença, e assim poderia sair das quatro paredes que me cercam a fim de falar Dele.

Minha oração mudou. Um desejo incontrolável, um desespero instalou-se dentro de mim: Eu queria conhecê-Lo! Ansiava por vê-Lo como Ele era. Eu queria ver o meu Deus face a face! Não me importava mais os meus problemas, os desejos da minha carne; eu ansiava por intimidade. Não queria respostas; não queria milagres; queria Ele tão somente!

Manhãs, tardes, madrugadas de buscas, sozinha, no meu aposento de oração. Muitas vezes sem dizer nada, apenas sentindo Sua presença. Como um filho que chega ao quarto do Pai, e O vê deitado à cama. Ele caminha, adentra o quarto, e sem pestanejar se lança nela, por ansiar intensamente pelo Pai. Ele se joga sem medo de mostrar suas debilidades, de demonstrar sua total dependência Aquele deitado ali. Ele abraça o Pai. Sem dizer uma palavra apenas sorri, pensando: ah, esse é o meu Pai!

Numa tarde especial, a presença de Deus era tão forte em minha casa que não consegui ficar de pé; jogada ao chão, chorava intensamente e num breve momento pensei: Pai, estou louca! E o Espírito me disse: Você não está louca, está apaixonada por Mim! Era isso! Eu precisava de paixão no meu coração! Paixão pelo meu Deus! Paixão por Jesus! Deus não está à procura daqueles que o amam apenas; Ele busca os que estão apaixonados por Ele. Porque apaixonados, nos entregamos, nos lançamos.

Quanto mais busco intimidade com Deus, mais vazia preciso estar. Vazia de mim: dos meus conceitos, opiniões, julgamentos, críticas, dos meus sonhos, planos. A cada dia sonhos há tanto tempo acalentados; desejos pulsantes, perdem-se na minha trajetória em busca por mais de Deus; são consumidos pela glória do meu Senhor.

Minha vida tem tornado-se uma página em branco. Antes rascunhada de estratagemas, moldes, pré-concepções; hoje, desenhada a cada dia por um direcionamento de Deus. Parece bem quista a expressão! Emociona, sensibiliza a teoria; mas tenho vivido a prática. Não é fácil tomar a cruz; naturalmente foge-se dela, mas é o amor por Ele que nos mantém firmes. Em branco, continua a página. Tenho aberto mão das experiências anteriores, as relato, mas não quero viver delas! Sei que como o maná, Deus tem pra mim uma nova porção a cada dia. As experiências que tive com Ele ontem, não valem mais! Eu quero o hoje!! Quero o mais, porque sei que tem mais!!! Eu escolhi viver o absurdo de Deus!!! Quero dançar no Seu sobrenatural!!Não quero mais gotas da Sua presença, Suas visitações; quero permanecer diante Dele!!!

Cessou o tempo de apenas tocarmos Seus pés!!! Chegou ao fim o tempo de contemplarmos Suas mãos!! É chegado o tempo de beijarmos Sua face!!! De vermos como Ele é!!! É preciso mergulhar em Deus!!! Que venhamos a mergulhar cada vez mais fundo. Submersos no Rio de Deus, nenhum agente exterior nos amedronta; tudo se torna ínfimo diante da grandeza de Suas águas. Quero chegar a um nível tão profundo no Rio de Deus que não seja mais possível voltar atrás!!! Que eu não saiba mais respirar fora de Suas águas!!! Que escolhamos nos deleitar na Sua glória, independente do preço que preciso for pago!

“Como posso expressar
Tão grande amor por mim?
Como posso pagar essa dívida de amor??
Só posso entregar
Minha vida em Teu altar!”

(André Valadão)

Calendário

julho 2017
S T Q Q S S D
« set    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Postagens

Quem sou

"O Senhor me respondeu e disse: escreve a visão e faze-a legível sobre tábuas, a fim de que a leia o que passa correndo." Habacuque 2:2